Aprender a cozinhar: um “mal” necessário para uma alimentação saudável

Atualmente, é possível perceber níveis alarmantes de excesso de peso na população. A última Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF 2008-2009), revelou que cerca de 49% da população já se encontra com excesso de peso e 14,6% com obesidade, sendo que o excesso de peso já abrange 33,5% das crianças na faixa etária de 5 a 9 anos de idade (lembram do documentário Muito Além do Peso?).

Isso tudo se deve, em grande parte, ao excesso de consumo de alimentos industrializados, como refrigerantes, refeições congeladas, embutidos, salgadinhos de pacote, biscoitos recheados, temperos prontos, entre outros produtos alimentícios. E não se engane com as promessas dos produtos light e diet. Muitas vezes, a reformulação desses produtos não trás benefícios à saúde, como se imagina. Por exemplo: um chocolate diet não contém açúcar, mas para melhorar o sabor, maior quantidade de gordura é adicionada ao produto; um requeijão light apresenta redução na quantidade de gordura, mas para compensar a sua falta, mais aditivos são adicionados ao produto para que ele apresente consistência e sabor parecidos com o original. Deu pra entender o espírito da coisa?

Mas então o que fazer para mudar esse quadro? De forma bem simplificada, a regra geral para uma alimentação saudável envolve o consumo de alimentos frescos e de preparações que você mesmo cozinhou ao invés de consumir refeições fast food ou produtos industrializados prontos para consumo. Isso mesmo, voltar para a cozinha e aprender a cozinhar faz toda a diferença para uma boa alimentação e um estilo de vida saudável.

É claro que ninguém consegue cozinhar todas as refeições em casa de um dia para outro, até mesmo por conta da rotina de trabalho/estudo. É claro que pegar um refeição pronta, aquecer no microondas e jogar a embalagem fora é muito mais fácil do que preparar a comida, sujar panela e lavar louças. Principalmente no início, adquirir o hábito de cozinhar não é fácil – é preciso sair da zona de conforto.

Mas começar aos poucos é a chave pra que as coisas comecem a fluir. Comece com um dia na semana, reúna a família ou os amigos, demande uma função a cada um (um pica a cebola, outro lava a louça, outro faz o arroz, …) para que ninguém se sinta sobrecarregado, converse com as pessoas que sabem cozinhar, peça receitas a familiares, amigos e colegas, leia livros, busque receitas na internet, eventualmente faça cursos e, principalmente, comece a cozinhar. Prepare algo, qualquer coisa – seja um suco para o café da manhã, uma salada para o almoço, um bolo para o lanche ou o banquete do domingo!

Além de adquirir e compartilhar o “conhecimento culinário” com amigos e familiares, você pode se surpreender como passar um tempo na cozinha – reunido com a família, trocando experiências, conversando e rindo das primeiras trapalhadas à beira do fogão – pode ser bastante agradável.

Quem sabe um dia você não chega nesse nível?

Bom feriado e beijos da nutri!

Camila Araújo.

😉

Anúncios

Muito Além do Peso

Você já reparou que muitas famílias por aí, tomam refrigerante ao invés de água? E que muita criança não sabe nem reconhecer o que é um pepino ou um abacate? Ou que o único vegetal que entra na alimentação da criançada é batata – batata frita ou de pacotinho?

Pois é. E é exatamente isso que o documentário Muito Além do Peso mostra: em tempos onde crianças começam a ter problemas de saúde de pessoas idosas, ele dá um “choque de realidade” sobre a alimentação que estamos oferecendo às crianças atualmente.

Mas de onde vem esses problemas? Bem, entre os grandes responsáveis estão:

  • A publicidade de alimentos e bebidas não saudáveis direcionados ao público infantil.
  • O consumo excessivo de produtos alimentícios industrializados, que são ricos em açúcar, gorduras, sódio e aditivos alimentares.

O documentário mostra dados alarmantes:

Clique nas imagens para ampliar.

documentario-muito-alem-do-peso-obesidade-infantil-saude-11

Muito além do peso

Muito-Além-do-Peso

peso_03

suco_muito-alem-do-peso

Vale a pena assistir e refletir sobre os hábitos alimentares que estamos ensinando às crianças do presente e que serão perpetuados no futuro, caso não hajam mudanças e conscientização sobre o tema.

Você pode baixar o filme gratuitamente no site oficial ou assistir pelo youtube mesmo. Reúna a família e os amigos na sala e aperta o play! Ah, e não esquece de chamar a criançada!

SINOPSE

Pela primeira vez na história da raça humana, crianças apresentam doenças de adultos: problemas de coração, respiração, depressão e diabetes tipo 2. Todos têm em sua base a obesidade. O documentário, com direção de Estela Rener e produção de Marcos Nisti, discute por que 33% das crianças brasileiras pesam mais do que deviam. As respostas envolvem a indústria, o governo, os pais, as escolas e a publicidade. Com histórias reais e alarmantes, o filme promove uma discussão sobre a obesidade infantil no Brasil e no mundo.