Arroz de couve-flor

Imagem inline 2
Imagem inline 3

A pessoa aqui está de atestado e de molho em casa, e vê na TV a Ana Maria Braga dando uma ideia super legal (que muita gente já deve ter visto por aí): o arroz de couve-flor. Mas como tava bom demais pra ser verdade, ela acabou dando junto uma opinião baseada em achismo ou uma meia informação que ela viu por aí: “carboidrato e proteína é uma bomba calórica, não é bom”.

Miga, DEPENDE.

Primeiramente, a vida não é feita de calorias. Esquece um pouco disso, por favor? E segundo, depende do carboidrato, depende da proteína, depende da combinação, depende da pessoa, depende do horário, …

Uma fruta é rica em carboidrato; adicionar uma fonte de proteína pode ser uma estratégia interessante para reduzir a absorção do açúcar da fruta – geralmente se usa fibras, gorduras boas ou proteínas pra esse intuito. Então uma panqueca de banana + ovo + aveia pode ser uma opção saudável de lanche e não uma opção calórica.

Arroz e feijão são alimentos típicos brasileiros e são uma mistura excelente de aminoácidos essenciais, que se complementam para fornecer a nossa necessidade diária “proteica”.

Um pouco de arroz integral, feijão, salada e frango à noite pode ser uma ótima opção de jantar.

Cada um tem o direito de dar sua opinião. Mas a partir do momento que a pessoa é uma figura pública, que contribui para difundir informações, e faz um comentário baseado no achismo, aí não. Menas.

Mas vamos voltar à parte boa, o tal arroz de couve-flor.

A couve-flor é rica em vitaminas do complexo B, vitamina C e E, potássio, cálcio e magnésico; ajuda a diminuir o colesterol; é rica em fibras e em carboidratos de absorção mais lenta, sendo boa para diabetes e emagrecimento; rica em antioxidantes, ajudando a fortalecer o sistema imunológico; ajuda a manter dentes e ossos fortes, entre uma diversidade de benefícios.

E a receita que ela deu no programa é bem bacana. Parabéns por essa parte! Deem uma olhadinha lá no site dela, se quiserem ver detalhes, mas basicamente pra fazer você precisa:

  • Ralar ou triturar a couve-flor no processador
  • Em uma panela, refogar alho e cebola em um pouquinho de azeite
  • Adicionar a couve-flor triturada, refogar um pouquinho, adicionar sal e colocar um pouquinho de água para cozinhar. É BEM menos água do que você colocaria pra cozinhar um arroz de verdade, ok? Na receita da Námaria, ela colocou 7 xícaras de couve flor e 3/4 xícara de água – uma boa é ir adicionando a água aos pouquinhos pra não errar.

Essa é uma ótima opção pra um jantar mais leve e uma ótima alternativa pra enganar aquela vontade de quem AMA arroz e não vive sem.

Matéria do Fantástico mostra Whey Protein Adulterado!

Quem assistiu o Fantástico ontem à noite, viu o tanto de suplementos a base de Whey Protein que estava em desconformidade com o que alegava no rótulo. A análise foi realizada em amostras de Whey Concentrado, o mais passível de adulteração na minha opinião, já que não deve conter apenas proteínas do soro do leite (ao contrário dos Wheys isolados ou o hidrolisados, com boas concentrações da proteína). Confira a reportagem no link

Só queria deixar claro por aqui, que é possível uma alimentação sem Whey ou outros suplementos esportivos para atingir resultados e objetivos!

whey

O meu pré-treino e pós-treino de hoje foram com #comidadeverdade

  • No pré: crepioca de cacau + pêra assada no óleo de coco com canela + mel
  • No pós: minha janta linda e maravilhosa, cheia de vitaminas, minerais e antioxidantes ♡

E quem disse que é preciso Whey pra conseguir alimentação balanceada – seja em proteína ou qualquer outra coisa? Tudo DEPENDE! Por isso é importante o uso desses suplementos sob orientação. E não da forma indiscriminada que vem acontecendo.

Ah, e pra quem achou o pedaço de frango pequeno, teve mais um de igual tamanho! 🙂

 

Novidade: Revista Digital

Oi, pessoal! Novidade: agora a nutri aqui do Descomplica Nutricionista estará participando das edições de uma revista digital! Lançada recentemente pelo Guilherme Licursi – Coach, a ideia da revista é passar para as pessoas conteúdo de qualidade e de forma gratuita.

1901865_604270062986128_1317458743_n

A minha primeira matéria foi sobre: “Dietas da moda: elas funcionam?“.  Confiram:

—–

Basta parar na frente de uma banca de revistas, para observar vários títulos tentadores: “afine 8kg em 15 dias”, “barriga chapada para o verão em 1 semana”, “tome shake e emagreça 4kg em 5 dias” e por aí vai. Seduzidas por essas propostas, muitas pessoas recorrem às famosas dietas da moda para grandes perdas de peso em pouquíssimo tempo. E para piorar a situação, existem várias opções dessas dietas milagrosas: dieta da sopa, do abacaxi, da papinha, dos pontos, Atkins, Dukan…

Saiu na mídia! Vocês viram?

Falando em dietas que prometem milagres… O colegiado de médicos franceses anunciou a expulsão do nutricionista Pierre Dukan, criador da dieta que leva seu nome. De alto valor proteico, a dieta foi duramente criticada por especialistas.

Embora em curto prazo possa provocar mais perda de peso do que uma dieta equilibrada, em longo prazo não há diferenças. Duas pesquisas das revistas Santé-Médecine e Journal de Femme, que ouviu 5.000 pessoas que seguiram a dieta, mostram que 80% recuperam seu peso inicial em quatro anos, 35% recupera nos primeiros meses, e 64% leva apenas dois meses”.  Ou seja, o famoso efeito sanfona.

E não é só isso, depois de revisar muitos estudos científicos fica claro que as dietas hiperproteicas como essa aumentam o risco de doenças cardiovasculares. Além disso, a dieta é acusada de causar transtornos alimentares, dificuldades no trânsito intestinal, carência de vitaminas, dores musculares e doenças crônicas como osteoporose, problemas renais, câncer e obesidade.

Fonte: El País Brasil – Sociedade, 28/01/2014.

Mas o que muitas pessoas não param para pensar é o seguinte: “quanto tempo levou para que eu esteja com o corpo que estou e com o peso que tenho hoje em dia?”. Certamente, o resultado presente foi fruto de hábitos alimentares inadequados que foram incorporados à rotina por vários anos ou, no mínimo, meses. Então por que o desespero para se livrar dos quilinhos a mais em um tempo tão curto?

Se existe a necessidade de mudanças na alimentação, essa mudança deve começar na cabeça. Somente ao nos conscientizarmos sobre nosso próprio corpo, as limitações que temos, a necessidade de mudanças na alimentação e de adoção de um estilo de vida saudável, é que a mudança no corpo acontece. Além disso, fica muito mais fácil buscar o emagrecimento com apoio profissional, uma vez que a perda de peso será melhor orientada e sem comprometimentos à saúde.

E vale lembrar que é preciso ter paciência. A adoção de um estilo de vida saudável, com a velha combinação de reeducação alimentar e atividade física, é fundamental para se obter os resultados desejados, e que dificilmente ocorre de um dia para o outro. Aos poucos é que as pessoas vão redescobrindo o prazer em se alimentar de forma saudável e em fazer atividades físicas. Afinal, a alimentação, assim como os exercícios, pode e deve ser fonte de prazer, e não de tortura a cada garfada, colherada ou gole.

Então respondendo à pergunta inicial: dietas da moda podem até funcionar a curto prazo. Mas dificilmente elas trarão saúde e bem estar com a alimentação a longo prazo, uma vez que a dieta se torna monótona e restritiva ou próprio organismo dá sinais de que não está tudo bem – durante o período de seguimento dessas dietas, muitas pessoas apresentam fraqueza, tonturas, dores de cabeça, cansaço, mau humor, indisposição, dificuldade de concentração, entre outros sintomas.

Por isso, é fundamental uma reeducação alimentar, respeitando as individualidades de cada um. Afinal, cada um de nós tem as suas próprias necessidades, hábitos e comportamentos alimentares, rotina, estilos de vida, enfim, cada pessoa tem as suas particularidades, que precisam ser respeitadas e levadas em consideração para a elaboração e seguimento de uma dieta.

—–

Vocês também podem conferir a matéria diretamente na revista: http://bit.ly/1ccOVEZ.

E sintam-se a vontade para dar opiniões, sugestões e para compartilhar!